café, café especial, cafés especiais, café premium, café gourmet, café selecionado, café fino, cafés finos, café catuaí, café mundo novo, café acaiá, café bourbon, cafés naturais, café cereja despolpado, café fazenda diamantina, café tipo exportação

 

 
Localização

Localizada entre a Mogiana Mineira e a Mogiana Paulista, em São Sebastião do Paraíso, no sudoeste de Minas Gerais, a Fazenda Diamantina de Santo Antônio tem características físico-químicas de solo, relevo e microclimas ideais para produzir uma média de 5.000 sacas de café por ano. Em uma área de clima tropical, com precipitação média de 1.500 mm por ano, o solo é de alta fertilidade.

Inscrustada em uma das regiões de melhor "terroir" do Brasil e do mundo para a produção de cafés finos, a Fazenda Diamantina de Santo Antônio está na quarta geração de cafeicultores e investe constantemente em pesquisas, capacitação humana e políticas socioambientais. Tudo isso credenciou a propriedade como produtora de cafés reconhecidos e também de sementes certificadas de alta qualidade, possuindo um rico banco de germoplasma com linhagens do grão e um campo de seleção de mais de 30 variedades de cultivares. O relevo é montanhoso, com altitude de 1.000 m, sendo rodeado por serras e vales e possuindo fauna e flora conservadas.

 

 
 
História

Desde 1943, a busca é pelo melhor café, trabalho de excelência iniciado por Antonio Carmo Melles e levado adiante pelos sucessores, Carmo, Carmem, Carlos e Camilo. O respeito e o amor que a família Melles tem pelo café se traduz na Diamantina e também no trabalho de Carlos Melles como coordenador do sistema estadual de pesquisas (Epamig/UFMG/UFV/ UFLA), realizações históricas para o café e cooperativismo como deputado federal.

 

 

 
Processo produtivo

Todo o processo produtivo, desde o plantio da semente até o café na xícara é feito dentro da fazenda. São produzidas as variedades Catuaí, Mundo Novo, Acaiá e Bourbon. O café é produzido seguindo os critérios de sustentabilidade ambiental, social e econômica. O plantio é feito de maneira tradicional, observando a melhor insolação nas linhas e ruas dos cafezais. Atualmente, a fazenda utiliza um mix entre colheita mecanizada e a manual. Os grãos colhidos são preparados via úmida e via seca no mesmo dia. São produzidos cafés naturais e cereja despolpado.

Com ampla estrutura de mais de 12 mil metros quadrados de terreiros e usina para secagem e beneficiamento, a Fazenda Diamantina industrializa parte de sua produção, apresentada ao mercado como "Café Especial Fazenda Diamantina", com distribuição direta em restaurantes, bares e cafeterias.

 

 

 
Terroir

Pelo "terroir" da região onde é cultivado e pelos tratos culturais, o café da Fazenda Diamantina sempre foi exportado para mercados exigentes, como países escandinavos, Alemanha e Japão. Em cada safra e em cada talhão, o café pode apresentar características diferenciadas. De modo geral, o café Diamantina é de aroma frutado, com sabor achocolatado que combina com a acidez cítrica.

Fruto do investimento em qualidade, a fazenda já venceu vários concursos promovidos por cooperativas. Em 2007, foi vencedora do concurso internacional Late Harvest, em Antuérpia, na Bélgica. Obteve também o II Concurso Estadual de Qualidade de Café (UFLA e Emater-MG).